domingo, 11 de setembro de 2011

11 de Setembro pelos olhos das crianças

10 anos depois as imagens do ataque ás torres gemeas ainda me emocionam e o sentimento de profunda tristeza toma conta de mim e certamente de todos os que assistiram em directo á morte de milhares de pessoas.





Child's drawing of World Trade Center in remembrance of the one-year anniversary of September 11.


Encontrei uma entrevista interessante  sobre um tema que me apaixona, o poder curativo da arte e como desenhar faz bem em situações traumáticas como esta:


O 11 de setembro não fazia sentido para Julian Cortez de 7 anos  e  para  Paul Keim de 8, assim desenharam uma cena que proporcionou algum conforto nos dias após os ataques terroristas.
"Os dinossauros, os policiais, os médicos e os trabalhadores da construção civil estão a construir o Centro de Comércio Mundial. As pessoas no topo do edifício estão a dizer as outras para chegar que sobreviveram para chegarem cedo", esta foi a legenda que escreveram para este desenho à 10 anos atrás:



Uma década depois, Ava Bullis da Ponte Velha, 5 anos e residente em Nova Jersey, desenhou uma bandeira americana e um soldado dos EUA quando lhe perguntaram qual era o significado do 11 de setembro para ela.Num momento de luto nacional e pânico geral- e num tempo igualmente repleto de lembrança - o desenho torna-se uma maneira das crianças conseguirem  re-interpretar as imagens dolorosas.     
"Os desenhos são uma representação real do momento", disse Lori Evans, psicólogo do Centro de Estudos da Criança NYU. "Eu acho que às vezes nós subestimamos o que as crianças vêem e ouvem. O que esses desenhos nos dizem é que mesmo as crianças tinham uma compreensão do que estava acontecendo."
Esse entendimento mudou com o tempo.
A maioria das crianças de hoje não estavam por perto para experimentar em primeira mão o terror e a tristeza de 11/09. Suas impressões foram formadas e fragmentadas através de histórias de família, a cobertura de notícias, e uma narrativa americana em evolução sobre o que representa o dia - uma história que desde então tem sido misturada com uma década de guerra, recessão, e a ameaça de mais terrorismo.
Trabalhando com New York City area-famílias, PBS NewsHour pediu a crianças do pré-escolar e escola primária para desenharem imagens sobre o que o dia significa para eles.

E constatou que as Torres Gêmeas ainda desempenharam um papel central na maioria dos trabalhos de arte, mesmo nas crianças mais novas.




"Você pode ver a diferença entre alguém que estava perto do World Trade Center e alguém que não estava vivo na época. Os novos desenhos são inspirados por fotos da nova torre memorial liberdade e colocam arco-íris", disse Evans. "Isso é esperançoso, o que faz sentido.

Abaixo, Evans explica que a arte infantil  pode nos dizer sobre como as crianças conseguem ou não lidar com a tragédia e com a lembrança da mesma.
NewsHour: Quando uma criança testemunha um acontecimento trágico, algumas das maneiras de expressá-la é através do desenho ou da pintura?
Eles estão desenhando o que vêem. Referente ao 11 de setembro, para a maioria das crianças mais jovens a imagem principal é de duas torres com aviões que colidiram com elas ou as torres em  chamas e como caíram. É uma imagem que vêem repetidamente. É facil ver  quando alguém está horrorizado com a situação, mas para isso é preciso já ter compreensão cognitiva sobre os factos que estão a acontecer. Com crianças pequenas, você pode dizer que há sentimento nele, mas é difícil de interpretar. Eu tenho um desenho de um estudante do ensino médio de duas pombas a despencarem para baixo. O aluno recebe a idéia de que não era apenas dois edifícios a caíram, que é um evento muito mais significativo. Essas coisas ensinam-nos a não subestimar o que uma criança pode entender dessas coisas e  o que quer retratar.
Se o seu filho está atraindo coisas como esta, então você pode querer falar com ele sobre isso.
NewsHour: A arte é utilizada como processo de luto?
Crianças jovens usam a arte como uma maneira de falar através das coisas. Há melhorias a partir de quando eles acabaram de sofrer um trauma para quando eles já encontraram a cura. O que vemos ao longo do tempo é menos trauma e mais informação factual, ou mais mensagens de esperança. Eu ficaria preocupado se uma criança ainda desenhar todo o horror de 10 anos depois.
O que desejo que eles vejam é um pouco de esperança mesmo nas memória. Nós não queremos apenas desenhos horríveis.
NewsHour: Como é 11/09 está sendo explicado a maioria das crianças hoje?
É muito variável. Se você perdeu alguém muito próximo, essa pessoas provavelmente ainda  fala sobre o dia específico. A maioria das crianças estão aprendendo as coisas de uma base muito mais intelectual, tais como: "Isso é que é o terrorismo." Crianças têm um entendimento pessoal de que este não é um trauma que está completamente terminado. Eles não podem simplesmente colocá-lo no passado, porque mesmo depois de 9 / 11, houve o antraz, havia um carro-bomba frustrados em Nova York. Esses eventos lembram as crianças que ainda está lá. Crianças vêem os anúncios no metro que dizem "se vir alguma coisa, diga alguma coisa", e fazem perguntas.
As escolas são variáveis ​​na maneira como lidam com isso.

NewsHour: Como é que  aconcelha os pais a explicar algo como 9 / 11 aos seus filhos?
Tendo em consideração o momento da criança, o que ela está cognitivamente pronta para ouvi-lo.
 Eu nunca acredito que devemos escondê-lo, porque então eles vão apenas aprender de qualquer maneira a partir de fontes as quais não temos controle. Às vezes é uma explicação muito básica. Para uma criança em primeiro ou segundo grau, "É um avião que atingiu as duas torres e as pessoas estão tentando se certificar de que todos estão seguras."  Não se deve mentir.

Mais desenhos feitos por crianças sobre o 11 de Setembro:
http://www.pbs.org/newshour/rundown/2011/09/then-now-children-draw-to-cope-with-911.html

Sem comentários:

Enviar um comentário

Helppppp....O meu filho já anda numa escola secundária!

O meu filho Martim está gigante e já entrou para o 5º ano. Se ir para o 2º ciclo já é coisinha para assustar qualquer pai, ir para...